segunda-feira, 19 de outubro de 2015

Petrobras conta sua própria história

Nos cursos de storytelling que ministro por todo o Brasil sempre há um momento de colocar as mãos na massa. É nessa parte que os alunos devem criar uma história a partir de um objetivo de comunicação, podendo estar relacionado a alguma marca ou não.

Na edição de Bauru, que aconteceu em setembro desse ano, a aluna Stefania da Silva Cardoso resolveu criar uma história sobre a Petrobras, empresa onde trabalha.

Mais do que isso, é também a história da Petrobras, como se a empresa fosse uma personagem. Mais ou menos nos moldes do case Os Últimos Desejos da Kombi, lembram?

Enfim, foi uma daquelas histórias de arrepiar. Não só porque está muito bem escrita e desenvolvida, mas também porque contém uma sinceridade que toca o público. Confiram!


Eu nasci com a missão de ser o orgulho do meu país.

Meu pai era ciumento, conservador e autoritário, mas me deu condições de ser o que me tornei.

A época era outra e fui recebida de braços abertos e festejada por todos.

Me batizaram bem à moda brasileira, misturando dois pedaços de nomes que tem tudo a ver com quem sou.

Meu pai se foi e passei a ser tutelada por militares, que se mostraram ainda mais durões que meu criador.

Passamos por várias coisas, porém, o mais importante é que sobrevivi. Ah... e bati um bolão junto com um dos maiores times do mundo. Eu joguei no Flamengo.

Os anos se passaram, o mundo mudou e eu também. Atingi minha maturidade.

Houve a abertura política, e junto com a democracia veio a globalização. Precisei me adaptar.

Não queria fazer perante o mundo que agora me olhava. Eu precisava manter a fé do meu povo em mim.

Tentaram mudar meu nome para me apresentarem aos gringos, mas não deu certo. Eu sou a cara do Brasil.

Socializei com o mundo, me refinei, busquei investidores que acreditavam em mim, afinal de contas, assim como todos eu também preciso de dinheiro para sobreviver.

Meu país ficou enciumado, mas posso jurar que nem eu nem a Carmem Miranda traímos nossa pátria.

Voltei a estar em evidência de um jeito bom.

Teve até um cara que se apaixonou por mim. Só dizia meu nome, me levava para todo o lado, e em todo o canto eu poderia ser vista.

Patrocinei cinema, projetos sociais e voltei a ocupar o coração da minha gente.

Com ele tive bons momentos, e outros... bom, nem tanto. Mas sobrevivi.

Creio que agora esteja vivendo o momento mais decisivo da minha vida.

Tem muita coisa acontecendo e não pretendo esconder, omitir ou fazer vistas grossas perante nosso momento. Mas quero que passemos por isso juntos.

Caí na boca do povo, sofri por más companhias, mas afinal quem merece ser julgado pelas ações de seus amigos e pessoas próximas, como familiares?

Talvez você não me conheça direito.

Pode ser que eu tenha chegado até você por comentário alheio, associada a escândalos. Ou que você pense que eu existo apenas para tirar seu dinheiro.

Se eu pudesse falar diretamente contigo, deixar que me conhecesse de verdade.

Você veria que também é parte de mim.

Entenderia que nossa maior riqueza ninguém pode nos tirar.

Não, ela não está nas profundezas, quase inacessível.

Ela está em mim porque está em você.

Me conheça sem preconceitos e tire suas próprias conclusões.

Muito prazer: Eu sou a Petrobrás!

10 comentários:

O espaço é aberto para críticas, sugestões e até elogios. Só, por favor, não venha com spam.