quinta-feira, 30 de julho de 2015

Curso de STORYTELLING e TRANSMÍDIA - Foz do Iguaçu - 8/8

ATENÇÃO IGUAÇUENSES E GALERA DA REGIÃO!

No dia 8 de agosto, sábado, ministrarei, pela primeira vez em Foz do Iguaçu, o curso que já levei a mais de 15 cidades e 10 estados diferentes.

Vamos entender como profissionais de comunicação, executivos de marketing, empreendedores e jornalistas podem se beneficiar das mesmas técnicas utilizadas por escritores, roteiristas e diretores de cinema para capturar a atenção do público e transmitir mensagens.

O curso acontece das 9h00 às 18h00, no Hotel Bella Italia, com promoção da ClickFoz.

Para mais detalhes e inscrições, clique aqui: http://www.eventick.com.br/storytellingfoz

terça-feira, 21 de julho de 2015

Robert McKee responde: é possível usar o storytelling no marketing?


Perguntam para o mestre Robert McKee se é possível usar o storytelling no marketing.

Sugiro dar o "play" no vídeo abaixo porque a resposta dele é boa. Mas vou adiantar aqui dois trechinhos.

Ele diz que, quando alguém vai ao bar encontrar os amigos, contar histórias é natural. Elas simplesmente aparecem. Diferentemente disso, no meio corporativo, fazer bullet points não é natural, dar o atributos emocionais a objetos não é natural e por aí vai.

Mais para frente ele comenta que listar fatos é a coisa fácil a se fazer, e precisa de pouco talento. Já contar uma história (ou "dramatizar dados", como ele se refere nesse trecho) requer algum talento, tempo pra processar e, além disso, envolve algum risco. Mas a segunda técnica é muito mais eficiente do que a primeira.

E não é que o velhinho tem razão? :)

domingo, 19 de julho de 2015

Uma regra simples para fazer conteúdo que valha a pena (traduzido)

Algumas semanas atrás publiquei aqui um texto retirado do blog do Umair Haique, um economista de Oxford que palpita sobre quase tudo. Era um texto que servia para um monte de coisas e, principalmente, como um "guia" para produção de conteúdo.

Por falta de tempo republiquei em inglês mesmo, sugerindo que algum leitor do blog fizesse a tradução. E não é que deu certo?

A Luísa Onofre viu, e pediu para a sua amiga Débora Schisler, sócia da Seven Idiomas, traduzir. Ai vai bio dela:

A Débora tem mestrado em linguística aplicada na PUC-SP e é uma professora e educadora muito experiente. Começou sua carreira na Associação Alumni, fundou a Seven Idiomas e hoje em dia dirige cursos e exames de professores na empresa. Além disso é líder do grupo Cambridge English, aqui no Brasil, que faz exames de proficiência em Inglês.

Chique né? Então fiquem com o texto traduzido.


As coisas que mais valem a pena fazer nem sempre são são fáceis, simples ou estão dentro da nossa zona de conforto. E isso você já sabe. Então, como saber se realmente compensam?

Aqui vai uma regra fácil: as coisas que valem a pena são paradoxos. Nos deixam tristes e felizes. Provocam dores e sorrisos. Nos fazem sonhar, enquanto nos fazem sofrer. Nos deixam agradecidos, enquanto também nos ensinam o significado da solidão.

Portanto, elas correspondem a um todo que faz parte de nós e não apenas porque contemos um turbilhão de sentimentos. Dessa forma, devemos vive-las para poder conhece-las de fato. As coisas nunca são meramente boas ou ruins, são relativas à perspectiva – afinal, uma característica não existe sem a outra. E isso se aplica a nós mesmos.

Você vê o homem na foto? Flutuando livremente no espaço, acima da Terra? Ele não sente apenas medo. Aposto que também sente s0lidão, terror, assombro, admiração, surpresa, paz, graça e compaixão. Essa experiência multidimensional é o que as coisas que valem a pena exaltam, não somente para nós, mas em nós. É por isso que elas são consideradas valiosas, enriquecedoras, inesquecíveis e notáveis.

Vou dar uma dica de ouro. Se o que você está fazendo não te movimenta como um todo, então não vale o sacrifício. Se faz com que você se sinta incompleto e unidimensional - ao invés de te fazer sentir conflitante, intrigado e dividido -, escolha algo diferente.

Porque é nessa tensão que tudo que há de melhor em você – perseverança, empatia, paixão , imaginação e garra – vai aflorar e emergir.

segunda-feira, 13 de julho de 2015

Tribo indígena desenvolve videogame sobre sua própria história no Acre


E se eu te falasse que uma tribo indígena do Acre está desenvolvendo um videogame enquanto escrevo esse post?

Bem, não é a tribo sozinha. Também há programadores, artistas e antropólogos envolvidos no projeto. Mas os índios da comunidade Huni Kuin estão ajudando no desenvolvimento.

A obra se chama Huni Kuin: os caminhos da jiboia e, pelo que dá para entender do vídeo, trata-se de um jogo de plataforma de 5 fases, onde cada fase conta uma antiga história da tribo.

De acordo com um dos idealizadores, o jogo fica pronto ainda no segundo semestre de 2015, e poderá ser baixado gratuitamente pela internet.

O objetivo desse projeto é levar um pouco da cultura dos Huni Kuin para a sociedade brasileira, através de uma mídia moderna.

Eu achei fantástico. E, se a gente for pensar bem, outros jogos de franquias mais populares já fazem esse trabalho para outras culturas. Por exemplo, God of War e a cultura grega. Assassin´s Creed e diversos períodos históricos. Civilization e as culturas das diversas civilizações.

Nesse sentido, dá para substituir um livro por um videogame? Ainda não. Mas com certeza é mais divertido e vai atingir muito mais gente.


Videogame Huni Kuin: os caminhos da jiboia from Beya Xinã Bena on Vimeo.

achado via Ricardo Bitencourt