quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

Qual a maior propaganda da Apple de todos os tempos?


Muitos vão dizer que é 1984, uma superprodução com direção do Ridley Scott e tudo mais. Custou uma fortuna e foi ao ar uma única vez, como é de praxe na tradição americana dos comerciais veiculados no intervalo do Super Bowl. Nesse caso, na final de 1984.



Outro falariam que é a clássica Think Different, praticamente um manifesto da marca. Ousado na época e, a julgar pelo estado das coisas, ainda mais ousado para os tempos de hoje. Um comercial, sem dúvida, brilhante.



Mas eu tenho uma opinião diferente. Pra mim, a maior propaganda da Apple de todos os tempos é o discurso do Steve Jobs, já em seus últimos anos de vida, para os formandos de Stanford.



Empresas com bons discursos e campanhas milionárias a gente encontra com alguma facilidade. É claro que essas coisas são legais e ajudam a tornar marcas mais conhecidas, mas, efetivamente, não adianta falar e não fazer. Em outras palavras, na propaganda a mentira tem perna curta.

Quantas vezes você já viu alguma campanha falando de coisas maravilhosas e, de fato ou metaforicamente, revirou os olhos? "Puuuuf...até parece!" - aposto que comentou isso com quem estava ao lado, ou, no mínimo, pensou.

Estou bem longe de ser um applemaníaco (inclusive tenho um PC), mas não dá para negar que os produtos da Apple são acima da média e, mais do que isso, seu fundador, dono e guru, enquanto vivo, realmente viveu e colocou em prática aquilo que acreditava e, depois, de alguma forma, isso foi transmitido para os valores da empresa.

Já devo ter escrito isso em algum lugar desse blog, mas, pra mim, a Apple é um grande product placement na vida do Steve Jobs. Quando alguém compra um Mac ou um iPhone, ele está comprando sua história, sua filosofia de vida, e a marca acaba sendo só uma expressão disso, um detalhe.

Steve Jobs não foi só um gênio da computação, mas também um gênio do marketing. E uma de suas grandes sacadas, na minha humilde opinião, foi justamente escancarar e explorar as partes mais controversas de sua vida pessoal. Afinal, todo mundo sabe que ele foi adotado, que abandonou a faculdade, que teve uma fase hippie loucona etc. Quando 10 em 10 CEOs do mundo dos negócios fariam questão de esconder esse tipo de coisa, Steve Jobs soube, como ninguém, transformar suas fraquezas em fortalezas. Fazendo isso, passou de presidente para mito.

Enquanto Steve Jobs levava sua experiência mais pessoal para dentro da marca que criou, seus concorrentes faziam discursos bem construídos, mas vazios. E foi, justamente por estar ancorada em significados reais, que a Apple pôde fazer campanhas tão memoráveis e verdadeiras, como as duas primeiras que selecionei. Mas nada disso teria sido possível sem a história de vida de Steve Jobs por trás.

2 comentários:

O espaço é aberto para críticas, sugestões e até elogios. Só, por favor, não venha com spam.