terça-feira, 21 de janeiro de 2014

35 anos e solteira: divida suas próprias experiências e vire referência para o mundo


Esse curta da diretora argentina Paula Schargorodsky foi publicado recentemente pelo New York Times e, a partir daí, viralizou rapidamente pela internet.

Além de ser muito bem feito e da história ser boa, creio que ele toca as pessoas devido ao momento que a sociedade ocidental vive, de pessoas se casando cada vez mais tarde (as vezes não se casando nunca), e não tendo muitos modelos nos quais se basear para esse tipo de escolha.

Em outras palavras, todo mundo se sente perdido, e quando uma cineasta resolve dividir sua experiência com o mundo, booooom, ela vira referência imediata.

Ah, esse é outro detalhe interessante. O curta é autobiográfico. A personagem da história é ela mesma. E as imagens são de seu arquivo próprio. Diz a diretora, nesse artigo do La Nacion, que começou a filmar trechos de sua vida em 2002, quando terminou um relacionamento, mas não sabia exatamente porque. 10 anos depois ela resolve montar o curta a partir desses trechos e aí a coisa explode.

Curtas autobiográficos com toques de documentário e reality show. Será que isso vai virar uma escola? Eu aposto que sim.

Um comentário:

O espaço é aberto para críticas, sugestões e até elogios. Só, por favor, não venha com spam.