segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

Alemanha usa storytelling para explicar a homossexualidade às crianças

Nos últimos dias tem circulado nas redes sociais um link bem interessante, que mostra uma suposta cartilha utilizada por escolas alemãs para explicar a homossexualidade às crianças.

Não sei até que ponto a notícia é verdadeira, mas sei que essa suposta cartilha usa técnicas de storytelling bem interessantes. Por isso repliquei as imagens aqui para, logo depois, fazer uma breve análise.


- A história narrada pelo menino começa quando seus pais se separam. Em outras palavras, essa não é uma história de amor gay perfeita. Antes do pai e seu namorado se juntarem havia um casamento hetero. Essa situação, obviamente, é bem complicada, mas muito real.

- Apesar disso estar bem implícito, dá para imaginar que essa família deve ter sofrido bastante nessa ruptura, como qualquer família sofreria. Mas, por outro lado, é melhor enfrentar a dor pontual de uma ruptura do que a dor de viver um dia a dia cujas peças não estão bem encaixadas.

- Notem como o menino que narra a história não é um ser iluminado que entende a situação de primeira, como se fosse a coisa mais normal do mundo. Esse até seria o mundo ideal, mas a realidade não funciona assim. Então o pai apresenta seu namorado como um amigo. Esse amigo vai se aproximando e, de repente, ele já é "da família". Depois ele tem que recorrer a mãe para entender direito a situação.

- É legal ver que a história da cartilha não se esquiva das verdades humanas comuns à esse tipo de caso, mas, mesmo assim, eles conseguem contar uma história verossímil, leve e educativa.

- Aqui a gente encontra um dos princípios mais fundamentais do storytelling, que é ser fiel às verdades emocionais do ser humano, por mais complexo e dolorido que seja. É justamente esse "dispositivo" que faz com que a gente preste atenção em uma história.

- Por outro lado, esse é o "dispositivo" mais evitado em campanhas de marketing ou cartilhas educativas que se propõe a contar uma história.

- Conclusão: se for para contar uma história sem verdade humana, melhor desistir da ideia e fazer outra coisa.

6 comentários:

O espaço é aberto para críticas, sugestões e até elogios. Só, por favor, não venha com spam.