sexta-feira, 6 de setembro de 2013

Mamede Mustafa Jarouche, o tradutor das Mil e Uma Noites no Brasil


Você já ouviu falar do livro As Mil e Uma Noites, certo? É basicamente uma história sobre o poder das histórias. Vou copiar aqui uma breve descrição da Wikipedia em português:
As Mil e Uma Noites é uma coleção de histórias e contos populares originárias do Médio Oriente e do sul da Ásia e compiladas em língua árabe a partir do século IX. No mundo ocidental, a obra passou a ser amplamente conhecida a partir de uma tradução para o francês realizada em 1704 pelo orientalista Antoine Galland, transformando-se num clássico da literatura mundial.As histórias que compõe as Mil e uma noites tem várias origens, incluindo o folclore indiano, persa e árabe. Não existe uma versão definida da obra, uma vez que os antigos manuscritos árabes diferem no número e no conjunto de contos. O que é invariável nas distintas versões é que os contos estão organizados como uma série de histórias em cadeia narrados por Xerazade, esposa do rei Xariar. Este rei, louco por haver sido traído por sua primeira esposa, desposa uma noiva diferente todas as noites, mandando-as matar na manhã seguinte. Xerazade consegue escapar a esse destino contando histórias maravilhosas sobre diversos temas que captam a curiosidade do rei. Ao amanhecer, Xerazade interrompe cada conto para continuá-lo na noite seguinte, o que a mantém viva ao longo de várias noites - as mil e uma do título - ao fim das quais o rei já se arrependeu de seu comportamento e desistiu de executá-la.
Pois bem, o pessoal do AntiCast, um podcast sobre design e assuntos afins, gravou um programa com o Mamede Mustafa Jarouche, linguista e professor da USP que teve o trabalho de traduzir o livro, se não me engano pela primeira vez no Brasil, direto do árabe, utilizando as versões mais "originais" que ele pôde encontrar.

Você pode ouvir o podcast dando play aí embaixo...



...ou assinando no feed do iTunes (informações nesse link). Também aproveite e acompanhe o AntiCast pela fanpage oficial do Facebook.

Um comentário:

O espaço é aberto para críticas, sugestões e até elogios. Só, por favor, não venha com spam.