terça-feira, 6 de agosto de 2013

Um mundo com menos bullshitagem é possível

Post originalmente publicado no Facebook em 18/07/2013



Ontem aconteceu uma coisa que me deixou muito, muito feliz!

Fui sondado para fazer um trabalho e, lá pelas tantas, a pessoa diz que fez uma pesquisa a meu respeito e concluiu que eu tinha linha de pensamento e discurso bastante coerentes, sem oba obas, sem falsas promessas, e por isso decidiu falar comigo.

Ao longo do tempo várias pessoas já vieram me falar que eu deveria me vender mais, que eu deveria envelopar o que faço de um jeito mais marketeiro, que deveria dar títulos de impacto para cursos etc. Mas eu acho isso um horror.

Nos últimos 5 anos venho me especializando em dois assuntos da área da comunicação (storytelling e transmídia), mas nunca falei que essas coisas eram a resposta para todos os problemas da humanidade, que revolucionariam a indústria, que responderiam o sentido da vida etc. Também me nego a dizer que há uma fórmula mágica para aplicar o conceito, e volta e meia nego trabalhos que pagariam bem porque, lá no fundo, sei que não é disso que o cliente precisa. Ele só ouviu dizer que é bacana, e quer fazer sem saber do que se trata.

Sou um profissional de comunicação, e não um guru de auto-ajuda. Muita gente faz, mas eu me nego a cruzar essa linha. Depois desse tempo todo alguém me sondar justamente por causa disso, é uma grande vitória. Um mundo com menos bullshitagem é possível. :-)

Um comentário:

O espaço é aberto para críticas, sugestões e até elogios. Só, por favor, não venha com spam.