sábado, 25 de maio de 2013

Os dois ingredientes indispensáveis de histórias envolventes

O post abaixo é de autoria do Diego Schutt e foi originalmente publicado nesse link. Aliás, o Diego é o editor do Ficção em Tópicos, um dos melhores blogs para escritores que eu conheço. Vale a visita!


Quando alguém abre um livro, vai ao cinema, ou assiste a uma série de tv, está ciente que os acontecimentos da história foram inventados, que os personagens não existem, e que seus diálogos e comportamentos são pura fantasia.

Se você é escritor ou roteirista, não precisa se preocupar em convencer ninguém do contrário. As pessoas estão dispostas a acreditar nas ideias mais malucas que sua mente puder imaginar, contanto que sua história seja coerente e verdadeira.

1. Sua história precisa de coerência

Não importa se sua ideia é baseada em fatos reais, ou se é uma fantasia épica com criaturas de outros planetas. Para que as pessoas acreditem na ilusão de realidade que você está tentando criar, você precisa pensar em respostas para as perguntas que sua história vai provocar na audiência.

Se seu personagem pode voar, por exemplo, você precisa explicar a origem dessa habilidade. Ele vem de outro planeta? Ou é um experimento científico? Ou é uma cruza entre humanos e pássaros? Se seu protagonista é um ladrão de bancos de 70 anos, você precisa mostrar as motivações por trás de suas ações. Ele não consegue sobreviver com o que ganha de aposentadoria? Ou ele gosta da adrenalina do perigo? Ou ele precisa de dinheiro para pagar o tratamento médico do neto?

Para transformar a ilusão da sua história em uma realidade acreditável na mente das pessoas, você precisa construir um universo ficcional consistente e coerente. Como? Considere o seguinte:

- Nos interessamos por aquilo que acreditamos ser importante.
- Acreditamos na importância daquilo que tem um sentido para nós.
- Damos sentido ao que podemos compreender.
- Compreendemos o que nos parece coerente.
- Consideramos coerente o que tem uma lógica.
- Enxergamos lógica onde vemos relações de causa e consequência.

Isso significa que nos interessamos por histórias onde podemos entender a origem do desejo do protagonista, e acreditamos que suas ações e os acontecimentos do enredo seguem uma sequência lógica de causa e consequência, coerentes com o universo ficcional criado. Só assim podemos compreender e dar sentido aos acontecimentos da história, e encontrar uma interseção com nossos interesses pessoais.

Ou seja, ainda que um personagem seja fruto da imaginação de um escritor ou roteirista, acreditamos em sua existência durante uma história quando reconhecemos nele as características de uma pessoa de verdade, com motivações e desejos que obedecem à lógica da sua personalidade.


2. Sua história precisa de verdade

As pessoas dedicarão infinitas horas de atenção as suas histórias contanto que, em troca, você lhes mostre uma verdade. Não uma verdade jornalística, fatual, que tenha acontecido a uma pessoa, em um determinado dia, lugar e horário. O que as pessoas buscam em histórias de ficção é uma verdade humana.

Embarcar em uma história de ficção é como assistir a um show de mágica. As pessoas estão dispostas a serem enganadas, contanto que as ilusões lhe pareçam reais. Como fazer ilusões parecerem reais? Construindo um universo ficcional que espelhe a forma como todos nós inventamos as histórias que dão sentido as nossas vidas:

- Nossas experiências moldam nossa personalidade.
- Nossa personalidade define nossas motivações e desejos.
- Nossas motivações e desejos guiam nossas decisões.
- Nossas decisões se concretizam em nossas ações.
- Nossas ações resultam em consequências.
- Nossa interpretação dessas consequências constituem novas experiências.
- O sentido que damos a essas experiências moldam nossa percepção sobre a vida.

Em histórias de ficção, isso significa: 1. Apresentar as experiências e motivações do protagonista que ajudam a entender a origem do desejo que ele quer satisfazer. 2. Criar situações onde ele seja forçado a tomar decisões e ações para enfrentar os conflitos que o impedem de alcançar esse desejo. 3. Mostrar o impacto desses acontecimentos e suas consequências na percepção do personagem sobre a vida.

A verdade humana que buscamos em histórias de ficção é o sentido que o personagem deu a uma experiência, e como sua interpretação sobre essa experiência moldou a forma como ele vê o mundo, outras pessoas e a si mesmo. É assim que estabelecemos as verdades que guiam nossas vidas: interpretando tudo o que nos acontece.

Por esse motivo, quando entendemos o sentido que um personagem deu para uma experiência de vida, reconhecemos nele nossa humanidade, nossa capacidade de interpretar o que sentimos. E não há nada que nos pareça mais verdadeiro do que chegarmos a uma conclusão racional que é confirmada por nossas emoções.

Quer investigar o assunto mais a fundo? Assista aos vídeos abaixo.


O vídeo acima é em inglês. Para colocar legendas em português, clique em “Play”, depois clique no ícone “Captions”, clique em “English (automatic captions)”. Depois, clique novamente no ícone “Captions”, e na sequência em “Translate Captions”. Selecione português na lista e clique OK.


O vídeo acima é em inglês. Para colocar legendas em português, clique em “Play” e selecione “Portuguese” na lista de legendas no canto inferior direito do vídeo.

Um comentário:

O espaço é aberto para críticas, sugestões e até elogios. Só, por favor, não venha com spam.