terça-feira, 28 de maio de 2013

Make Good Art - Neil Gaiman ensinando sobre a vida



Neil Gaiman, um dos escritores responsáveis por transferir às histórias em quadrinhos o status de literatura nas últimas décadas, deu um discurso para o formandos da University of the Arts da Filadélfia. Esse vídeo rodou a internet no ano passado e, se você ainda não viu, dá play aí que vale a pena.

E já que coisa boa de verdade nunca data completamente, aproveitei para postá-lo aqui e, de quebra, selecionei alguns trechos especiais, diretamente da transcrição em português que peguei nesse post do Trabalho Sujo, e aproveitei para fazer alguns comentários.

"Eu aprendi a escrever escrevendo. Eu tendia a fazer qualquer coisa conquanto que parecesse uma aventura, e a parar de fazê-la quando parecia trabalho, o que significou que a vida não se parecia com trabalho."

Ok, talvez nem todo mundo possa se dar ao luxo de fazer essas escolhas, mas, ainda assim, acho triste ver um monte de gente que poderia, mas não faz.

"Uma vida como freelancer, uma vida nas artes, é muitas vezes como colocar mensagens em garrafas, em uma ilha deserta, e esperar que alguém encontre uma de suas garrafas, e a abra, leia, e coloque algo em outra garrafa que fará seu caminho de volta até você: apreço, ou uma encomenda, dinheiro, ou amor. E vocês têm de aceitar que vocês poderão lançar uma centena de coisas para cada garrafa que aparecerá retornando."

As vezes pessoas me procuram perguntando como faz para trabalhar com isso ou com aquilo. Via de regra vou responder que, se você realmente quiser, o caminho mais consistente será conhecendo as pessoas que são referência para você (a maioria vai te responder e-mail educadamente, e uma boa parte vai topar tomar um café com você) e oferecendo algo em troca, nem que seja um projeto pessoal, nem que seja de graça. Aliás, na maior parte das vezes vai ser de graça mesmo.

A combinação dessas duas coisas e mais um tanto de paciência certamente levam qualquer um ao lugar desejado, mas o problema é que a maioria não tem força de vontade para lançar garrafas ao mar.

"Os problemas do fracasso são difíceis.
Os problemas do sucesso podem ser ainda mais difíceis, porque ninguém lhes avisa sobre eles.
O primeiro problema de qualquer tipo de sucesso limitado é a convicção inabalável de que você está fugindo com algo, e de que a qualquer momento irão descobri-lo. É a Síndrome do Impostor, algo que minha esposa Amanda batizou de Polícia da Fraude."


Não que eu seja uma pessoa de sucesso. Não que eu esteja me comparando ao Neil Gaiman. Mas endosso completamente essa teoria da "Síndrome do Impostor", inclusive já escrevi sobre isso nesse post.

Mas, quer saber de uma coisa? Os melhores profissionais que eu conheço, os mais honestos e competentes, sofrem disso também. Só os idiotas e picaretas "não sofrem". E é entre aspas mesmo, afinal, na iminência de serem desmascarados, entram em pânico e surtam. Numa dessas um guru de meia tigela já até me ameaçou de processo. E essa é a maior diferença entre eu e ele. Eu assumo que sou um bosta, sempre serei, e luto todos os dias para melhorar um pouquinho.

"
Houve um dia em que olhei e me dei conta de que eu tinha me tornado alguém que profissionalmente respondia a e-mails, e escrevia como um hobby. Eu comecei a responder menos e-mails, e fiquei aliviado por perceber que estava escrevendo muito mais."


Um dia chegarei lá! Mas não tenho moral nenhuma para falar sobre isso.


"
As pessoas são contratadas porque, de algum modo, elas são contratadas. Em meu caso eu fiz algo que atualmente seria fácil de checar, e me colocaria em problemas, e quando eu comecei, naqueles dias pré-internet, parecia uma estratégia de carreira sensata: quando editores me perguntavam para quem eu já tinha trabalhado, eu mentia. Eu listei uma série de revistas que soavam razoáveis, e soei confiante, e consegui os empregos. Então transformei em uma questão de honra conseguir escrever algo para cada uma das revistas que eu listei para conseguir aquele primeiro emprego, de modo que eu não menti de fato, só fui cronologicamente desafiado… Você começa a trabalhar por qualquer maneira que comece a trabalhar."


Deveriam criar um curso sobre isso. Quem fizer vai ganhar muito dinheiro.

"
As pessoas se matêm trabalhando, em um mundo de freelances, e mais e mais do mundo de hoje é freelance, porque seu trabalho é bom, e porque são fáceis de conviver, e porque elas entregam o trabalho em tempo. E você nem precisa de todos os três. Dois em três está bem. As pessoas irão tolerar quão desagradável você é se seu trabalho for bom e você o entregar no prazo. Elas perdoarão o atraso do trabalho se ele for bom, e elas gostarem de você. E você não precisa ser tão bom quanto os outros se você é pontual e é sempre um prazer ouvi-lo(a)."


A mais pura verdade. Quanto antes você aceitar que a média do mundo é muito baixa e, portanto, só é preciso ser um pouquinho acima da média para garantir seu espaço, melhor.

"
Façam do mundo um lugar mais interessante por vocês estarem aqui. Façam boa arte."


Acho que é isso. Façam do mundo um lugar mais interessante por vocês estarem aqui. Não existe legado maior do que esse.

6 comentários:

O espaço é aberto para críticas, sugestões e até elogios. Só, por favor, não venha com spam.