quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

GUEST POST: "Storytelling na prática - uma história sobre o poder transformador da educação"

O post abaixo foi escrito pela Renata Rossi, que foi minha aluna no curso de Storytelling e Transmídia da ESPM, que terá uma nova edição começando agora em 28 de janeiro de 2013.

Sempre muito aplicada, terminando o curso a Renata resolveu colocar a mão na massa e ir da teoria à prática. O resultado vocês encontram logo abaixo. Mas, antes, como uma boa contadora de histórias, ela fez questão de explicar como chegou lá. :)

Ah, e vale lembrar que a Renata também tem um blog bem legal sobre contação de histórias.


Sempre gostei de histórias, tanto é que escolhi ser uma contadora de histórias, mas aquelas de fatos reais. De uns tempos para cá, começou a pipocar um novo termo para mim: storytelling. Ouvi todo tipo de gente dizer o que era isso, mas não entendia como é possível uma história trabalhar a favor de uma marca. Tá, não entendia até assistir a um pocket do Curso de Storytelling na ESPM. Saí de lá com a cabeça fervilhando de ideias. Fiz a inscrição no curso e fui me meter no meio de publicitários, planners e profissionais de marketing. As ideias começaram a clarear diante de exemplos brilhantes de como histórias podem fazer marcas chegarem até o consumidor. Um case emblemático para mim foi o The Hire.

No curso recebemos a missão de fazer um exercício prático, trabalhando o storytelling em uma marca que escolheríamos logo na primeira aula. Escolhi o Albert Einstein, que se divide em Hospital, Ensino e Pesquisa e Responsabilidade Social. O ponto forte é – sem dúvida – o hospital. Quer lugar melhor para conflito e transformação? Aprendi que esses são os ingredientes primordiais de uma boa história. Mas, não era do hospital que eu queria falar. Queria falar do ensino, que para mim é a chance que as pessoas têm para mudar sua realidade.

O Instituto de Ensino e Pesquisa do Einstein oferece formação, atualização e aprimoramento para profissionais da saúde, de médicos a técnicos de enfermagem. O portfólio conta com cursos técnicos, graduação em enfermagem, pós-graduação, residência médica, cursos de atualização e aprimoramento, além de eventos científicos. Cada um dos públicos que consomem esses produtos têm uma característica, é fato, mas o que todos têm em comum é querer a marca Einstein no currículo.

Algumas particularidades devem ser destacadas:

Antes de entrar na rotina de um hospital as pessoas acreditam que é mais importante ter o melhor médico. Entretanto, se você for internado, reze para ter o melhor enfermeiro. É esse o profissional que está em contato direto com o paciente 24 horas e o responsável pelo cuidado. O melhor médico com o pior enfermeiro pode não dar um resultado muito feliz para o paciente.

Os enfermeiros têm um estigma que me dá a impressão de fazer parte do imaginário coletivo. Acredita-se que quem fez enfermagem é porque não passou em medicina. Isso não é uma regra! Há muitos enfermeiros que realmente têm o dom de cuidar e estudaram para isso, como primeira opção.

Não é apenas de médicos e enfermeiros que se faz um hospital. O paciente se depara também com fisioterapeutas, nutricionistas, psicólogos, terapeutas ocupacionais, entre outros profissionais. Todos eles são fundamentais para o atendimento integral.

Digamos que o primeiro estágio das profissões na área da saúde é o técnico, seja em enfermagem, farmácia ou radiologia entre outros. Esses cursos são a porta de entrada para o mercado de trabalho, uma vez que são destinados a quem está concluindo ou já concluiu o Ensino Médio e ainda são uma alavanca real para mudar de vida. Muitos alunos passaram de situações financeiras complicadas para a estabilidade depois de concluir o curso e começar a trabalhar na área. Com dois anos de estudo eles recebem o que muita gente depois de formado em comunicação não recebe. (Inclua-se nesta lista os jornalistas, categoria da qual já fiz parte e falo com conhecimento de causa)

Terminadas as observações, vamos à narrativa.

Eu queria contar uma história de transformação pela educação. Escolhi falar do curso técnico por ter a maior capacidade transformadora em curto prazo. Minha ideia governante era “a educação é a alavanca para transformar a vida”. E a partir dessa ideia nasceu minha protagonista, com base em depoimentos de alunos e ex-alunos dos cursos técnicos. Um detalhe que se repetia nas falas era como a oportunidade de estudar mudou a vida dessas pessoas. Usei isso em favor da minha personagem, a Maria do Socorro.

A protagonista

Maria do Socorro, diarista que veio de Minas Gerais para São Paulo e nunca pode estudar - Grande ambição: ser "alguém" na vida - Super poder: estar pronta para ajudar - Fraqueza: ser rejeitada por sua condição de ignorante - Arquétipo: prestativo

O arquétipo escolhi para representar a profissão. Quem se dedica a esse tipo de trabalho é prestativo por natureza. Já vi profissionais que estão fora do atendimento ao paciente há anos correrem para socorrer alguém que caiu, como que por instinto. Para quem não é da área da saúde, essa reação instintiva impressiona.

Mas, eu tinha um problema: o ativo da marca é o conhecimento, portanto o arquétipo que reflete esse posicionamento é o sábio. Se o protagonista tem de refletir o arquétipo da marca, o que fazer? Para sair dessa contradição, a dica foi utilizar um personagem ausente. Com arquétipo que reflete a marca, essa personagem influenciou a protagonista de forma positiva. Para dar mais tempero, coloquei um perrengue e o resultado final você confere a seguir.

A história de Maria do Socorro


Nota: embora a ideia não tenha sido implantada, o exercício foi fundamental para entender como trabalhar uma história para uma marca. Terminei o curso com a cabeça mais fervilhante ainda. Agora estou pesquisando maneiras de usar storytelling na educação.

7 comentários:

  1. Achei interessante a estratégia STORYTELLING para transmitir ideias ou para apresentar uma trajetória pessoal, mas como você Renata penso em como adotar a prática na educação.

    ResponderExcluir
  2. I don't apperceive what it is about the bendable blow and matte finish, but I accept a anemic atom for printed suede Christisn Louboutin Outlet. One of the best brands to cull this off is YSL Wallet Outlet. I accept to acquaint you about a backpack attraction of mine. I am in fact mad at myself that I did not splurge on the Ralph Lauren Polo Outlet Croc Muse Two which has two colors that I admire with a sueced croc pattern. To see a formed suede accomplishment off a Red Bottoms Outlet that I already adore, my affection melts. Replica Watches are additionally pretty reflective of their user's persona. Amazing furthermore multi-colored Replica Watches are commonly worn because of the younger. Conversely, exquisite dress Swiss Rolex Replica are regularly sported by highly developed gentlemen. And then usually there's the luxurious Swiss Replica Watches worn by the individuals who're properly to complete. Check out observing your mates furthermore you can before long see how the layouts are actually ranging.

    ResponderExcluir

O espaço é aberto para críticas, sugestões e até elogios. Só, por favor, não venha com spam.