quarta-feira, 10 de outubro de 2012

O dia em que uma rede de farmácias me fez chorar (no sentido positivo)

Recentemente a rede de farmácias Panvel, líder na região Sul do Brasil, lançou dois curta-metragens capazes de encher os olhos de lágrimas de qualquer pessoa que tenha coração.

Tanto o "Filme do Lilinho" quando a "História de Sofia" foram baseados em crônicas de José Pedro Goulart, publicadas no livro "A voz que se dane", da Editora L&PM. O próprio José, que além de escritor é cineasta e publicitário, dirigiu os curtas.

Veja-os aqui, e logo depois continuamos a conversa.





Impressionante como eles conseguiram entregar ao público algo que tivesse uma qualidade artística suficiente para ser mais cinema do que propaganda, e, ainda por cima, refletindo o posicionamento da marca, ligado à cuidado e bem-estar.

No momento em que eu escrevo esse post a soma de visualizações dos dois vídeos já passa de 1 milhão. Vamos pensar que são 1 milhão de pessoas que escolheram assistir essas histórias. 1 milhão de pessoas que apertaram o play de forma ativa, e não receberam isso em casa de forma passiva, enquanto faziam outras coisas.

Todos chegaram até o final do vídeo? Provavelmente não. Todos gostaram? Claro que não, já que é impossível agradar 100% das pessoas. Mas o ponto é que muitos, na casa das centenas de milhares, se importaram, se emocionaram e, eventualmente, compartilharam e quiseram falar sobre. Eu mesmo fiquei sabendo disso pelo Daniel Souza.

Eu poderia ter um blog só sobre cinema e ainda assim ambos os vídeos seriam candidatos naturais à aparecerem por lá. Poderia querer enviar um e-mail motivacional para um amigo que estivesse precisando, e esses vídeos seriam candidatos naturais à reforçarem minhas palavras. Isso é conteúdo de verdade.

Aliás, é tão de verdade que até pensaram em uma sessão de making-of e extras, por onde dá para se aprofundar mais na história por trás da história. E no começo do marking-of o diretor fala uma frase que pode servir bem para fechar o post: 

"As pessoas aceitam a propaganda desde que a propaganda entregue alguma coisa pra elas".


Mas calma aí que o post ainda não acabou!

Esses vídeos ainda servem para reforçar um concurso cultural, e vice-versa. Nesse concurso a Panvel pede para que seus clientes contem histórias pessoais de cuidado e bem-estar com quem ama. As 5 melhores foram premiadas com um ano de cuidados Panvel para sua família (na prática é um vale mensal de R$300,00 para cada ganhador, durante 12 meses).

Como eu sempre digo, esses concursos do tipo "conte sua história" servem muito mais para fazer o consumidor se sentir parte do que para capturar a atenção do público. Nesse caso a diferença entre as respostas e os vídeos fica bastante clara. Mas cada qual com seu papel, um reforçando o outro, sempre pode funcionar bem.


9 comentários:

  1. Que isso, os vídeos são maravilhosos.
    Me emocionei também, tive que me segurar pra não escorrer uma lágrima em plena agência.
    Fodão.

    ResponderExcluir
  2. Realmente, os publicitários tem muito o que aprender com o cinema. A primeira coisa é: MENOS PIEGUICE. Pieguice não é sinônimo de emoção.

    ResponderExcluir
  3. Sujeito Anônimo, você não tem coração. ;)

    ResponderExcluir
  4. that we take charge of unloading and loading and installation of the nest again by skilled workers trained at the highest level and is done quickly to maintain the time of the client and With a material cost افضل شركة نقل اثاث

    ResponderExcluir

O espaço é aberto para críticas, sugestões e até elogios. Só, por favor, não venha com spam.