terça-feira, 12 de junho de 2012

Qual o efeito de uma história sobre o valor de um objeto?

No melhor corporativês, histórias agregam valor às marcas. Mas quanto? Aí está a pergunta de um milhão de dólares.

Talvez histórias e marcas sejam conceitos amplos e abstratos demais para fazer algum tipo de medição, mas quando pensamos no efeito de uma história sobre o valor de um objeto ou produto, bem, aí a coisa pode ficar um pouco mais fácil.


Nas minhas aulas sempre falo da presença de artefatos nas histórias. Pense na varinha do Harry Potter, no escudo do Capitão América, no chicote do Indiana Jones ou até mesmo no sangue sintético de True Blood. Alguns autores também chamam essas coisas de "objetos mágicos", embora a magia não seja um componente obrigatório.


O fato é que esses são objetos importantes para o desenrolar da história. As vezes eles conferem poderes ao herói, as vezes dão apenas mais confiança a ele, mas também podem ser sua fraqueza (caso da kryptonita do Super Homem), ou então podem ser os tesouros que todos estão procurando.

Para nós, publicitários e marketeiros, o que importa é que grande parte do valor dos produtos que coloquei ao longo desse post não está na matéria prima, na embalagem e nem no processo de fabricação, mas sim no contexto criado por meio da história de onde eles vieram. Histórias são ótimas encubadoras de marcas e produtos, pense nisso.


Ainda sobre esse assunto, recentemente descobri o projeto Significant Objects, um experimento literário antropológico cujo objetivo é justamente medir o efeito de uma história sobre o valor de um objeto. Para isso foram comprados vários objetos na casa de US$1,25 e convidaram escritores para desenvolverem histórias a partir desses objetos, todas publicadas no site do projeto.

Em uma segunda fase esses objetos foram leiloados no ebay, e o valor arrecado chegou perto de US$8.000,00. Calcule o ROI. :-)

Aliás, o livro com o objeto e as respectivas histórias pode ser comprado na Amazon, aqui.

6 comentários:

  1. Acabo de ler sobre isso em "Uma Filosofia do Design" (de Vilem Flusser) - o consumidor hoje procura informação no objeto ;)

    ResponderExcluir
  2. Contraponto

    http://youtu.be/3UOFYJt_7yk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Daniel, ótimo exemplo o do Cheiro do Ralo!

      Mas, no caso, o personagem do Selton Mello é treinado para desvalorizar a história. Faz parte do business dele né?

      Excluir
    2. Na verdade eu vejo o Selton Mello no Cheiro do Ralo como o cara mais cético da história, não como um "desvalorizador". Ele quer saber das coisas como elas são e dá um preço (não um valor). Para a caixinha de música ter história, "escreve num papelzinho". Para a "Duff" ser mais do que uma cerveja, precisa vir com um papelzinho.

      Excluir

O espaço é aberto para críticas, sugestões e até elogios. Só, por favor, não venha com spam.