quinta-feira, 3 de maio de 2012

Nike conta história de amor para promover tênis de corrida



Uma das coisas que eu sempre faço questão de falar em cursos e palestras é que histórias são sempre sobre pessoas e seus sentimentos, e não marcas e seus atributos. Histórias são sobre CPF e não sobre CNPJ.

Acabo deixando algumas pessoas frustradas quando falo isso, e aí vem a pergunta "mas o personagem não pode ser o produto ou a marca?". Poder pode. Quem sou eu para falar o que pode ou não pode fazer? O problema é que produto e marca não têm sentimento, que é a chave de qualquer história para capturar a atenção do público.

Empatia se constrói com sentimentos. Por isso somos capazes de torcer por um personagem como se ele fosse nosso melhor amigo, acompanhando-o durante sua jornada de vitórias e derrotas. Um produto não pode fazer isso.

A Nike aprendeu a lição direitinho e contou uma história (que também é um tipo de clipe musical) de amor para promover seu tênis de corrida. Mas o que amor tem a ver com os atributos desse tipo de produto? Dá play aí e aprende com eles. :)

dica da ex-aluna Beth Viveiros

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O espaço é aberto para críticas, sugestões e até elogios. Só, por favor, não venha com spam.