quarta-feira, 28 de março de 2012

Teatro transmídia


Nos últimos dias tenho recebido de várias pessoas esse link com a notícia de que uma peça de teatro no Rio de Janeiro estaria fazendo conteúdo transmídia. Quando isso acontece fico com a sensação de que estão pedindo algum tipo de comentário. Então, por que não um post logo?

A peça se chama Primeira Vista e, pelo que li, existe uma fanpage, uma conta no instagram e posts que mostram o cotidiano das personagens. Além desse vídeo abaixo, que mostra a gravação de uma música que as personagens tocam na peça. Comento logo abaixo.



- Sempre me incomodou a péssima qualidade dos comerciais que divulgam peças de teatro na TV. Já me falaram que isso acontece pela falta de verba, mas tem aí um tanto de falta de criatividade também. Nesse sentido me parece que transmídia como recurso de divulgação de uma peça é algo bem interessante pois é bem mais barato e, contando com o envolvimento do diretor e atores, pode ser bastante criativo também.

- Quando alguém pensa em fazer transmídia a primeira idéia que vem na cabeça é criar perfis dos personagens em alguma rede social. Isso é muito bonitinho na teoria, mas na prática geralmente só serve para que o público ache...bonitinho! Mensagens mostrando o cotidiano dos personagens não contam uma história e, portanto, não captam a atenção de ninguém. O cotidiano, por definição, é chato, por isso as histórias começam quando ocorre uma quebra.

- Usar transmídia de uma forma que realmente valha a pena envolve um esforço criativo tão grande quanto o de criar a história principal. O caminho está mais para a exploração de sub-tramas, que sirvam de gancho para a principal, do que posts sobre o cotidiano.

- Essa crítica não é endereçada especialmente à transmídia dessa peça, mas sim a 90% do que tenho visto por aí. Não vi a peça e também não encontrei a fanpage dela no Facebook. Talvez me surpreendesse com o conteúdo. O vídeo, que está aí em cima, tem como mérito ser pioneiro, mas cai no mesmo problema. Se é bonitinho por um lado, por outro não me diz nada da história. Música pela música, fico com um show.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O espaço é aberto para críticas, sugestões e até elogios. Só, por favor, não venha com spam.