quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Logorama - storytelling para marcas

Só agora assisti Logorama, o curta de animação que ganhou o Oscar de 2010. Me julguem. Eu sei que a notícia é velha, mas deixo aqui o vídeo para quem ainda não viu. Vale a pena, mas vale uma reflexão, ali embaixo.



Não preciso dizer que visualmente o curta é sensacional, né? Para quem trabalha com comunicação então, é irresistível ficar procurando logos por todas as partes.

Mas aí que está, para mim isso é mais uma brincadeira, ou um experimento, do que uma história. Durante o curta não consegui criar empatia com nenhum personagem. Queria saber qual a motivação do Ronald para ter virado um sociopata, e quando acabou não consegui responder pra mim mesmo sobre o que era a história.

Conclusão: Logorama nos ensina que histórias não são, e nem podem ser, sobre marcas. Histórias são sobre pessoas, e pessoas se relacionam com marcas. Quando a gente tenta inverter a equação chegamos a um resultado que pode ser até plasticamente muito bonito, mas que não tem a humanidade das histórias.

Um comentário:

  1. A police officer is holding the man's hands behind his back. Amid a plume of white smoke, which cleared to show the man sprawled on the ground and commuters fleeing in terror. When they encountered him, Ullah had a shrapnel wound and there was smoke around him and debris all over the floor, Pegues reports..

    Said, not your own kind? because all my girls have been white, he said, bear t shirt adding, not like they were like, need unique t shirts to choose a black girl, it just they were asking me why I like white girls and I was just like, no. Specific reason. Stories highlight a custom tshirt printing divide not between the races, but between the generations.

    ResponderExcluir

O espaço é aberto para críticas, sugestões e até elogios. Só, por favor, não venha com spam.