terça-feira, 13 de dezembro de 2011

LG Portugal conta histórias sobre pessoas, e não sobre tecnologia

Tenho trocado figurinhas com o Francisco Carvalho, aluno de Coimbra que até já me entrevistou para o seu blog, sobre storytelling aqui e acolá, ou seja, no Brasil e em Portugal.

Numa dessas ele me apresentou esses quatro filmes bancados pela LG lusitana, quatro curta-metragens que exploram o lado mais humano da tecnologia. Três deles são de 2010 e parece que geraram um bom burburinho na época, mas eu ainda não os conhecia.

Dá para ver que a empresa está levando a idéia do branded content a sério quando a marca aparece de uma forma bastante sutil e, principalmente, quando as histórias são centradas nos personagens e seus conflitos pessoais.

Aliás, alguns desses personagens são muito pouco óbvios quando pensamos em conteúdo criado para marcas. Entre eles há um mendigo que relembra o passado, um garoto que busca uma fuga do ambiente instável de sua casa e uma imigrante que sofre a solidão típica de quem vai morar em outro lugar. Temas fortes, mas necessários para a criação de histórias igualmente fortes.

Em outras palavras, a LG de Portugal entendeu que na disputa pela atenção das pessoas os concorrentes não são as outras propagandas ou conteúdos de marca, mas sim filmes, seriados, programas de TV, músicas, videogames, chat, namorada ligando, cansaço e por aí vai...







Um comentário:

  1. Pô, me fez chorar ... ainda dá pra neste ano falar do Urbanias?

    ResponderExcluir

O espaço é aberto para críticas, sugestões e até elogios. Só, por favor, não venha com spam.