segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Pequenas inovações. Grandes Negócios.


Tenho um grande carinho por esse post, originalmente publicado em 11 de janeiro de 2010. Ele foi a consolidação de um esforço investigativo que eu havia iniciado há muito tempo, antes mesmo de ser convidado para escrever no Update or Die.
Pode me chamar de inocente e sonhador, mas sempre que vejo um novo negócio na rua, desde uma lojinha até um boteco, que não tenha nada de inovador, tudo igual ao que já fizeram antes, sou tomado por um sentimento de tristeza profunda.
Quanto potencial desperdiçado em um bar que tem a decoração parecida com aquele outro da esquina, que já tem sua identidade consolidada e um público fiel. Quanta falta de coragem e visão preenchem o espaço daquela boutique que está na cara que vai virar mais uma na paisagem.
Pensando nisso há tempos comecei a registrar, com câmera de celular mesmo, pequenos negócios que destoavam da paisagem. Idéias simples, capazes de tornar uma biboca algo no mínimo curioso. Lembrando que inovações não precisam ser profundas e que as vezes um detalhe já faz uma baita diferença, trago aqui quatro exemplos nesse espírito…

Esse é um café/lanchonete de um shopping de Campinas, meio escondido, ali na área de serviços. O dono resolveu tematizá-lo com o mundo da velocidade e instalou ali uma verdadeira pista de autorama. Nostalgia total. Vai dizer que não dá vontade de brincar?



Esse é um estacionamento na região da Av. Rebouças com a Av. Faria Lima, um ponto bastante movimentado de São Paulo. Tenho certeza que sem fazer absolutamente nada o estacionamento já ficaria lotado boa parte do tempo devido à alta demanda e pouca oferta da região.
Mas o dono resolveu envelopar o espaço com coisas que remetem aos antigos filmes de perseguição policial, tipo xerife em quatro rodas. A foto é de um carro na vertical, pendurado em uma das paredes. Isso vai soar piegas, mas eu aposto que o cara é fã desses filmes e fez isso com o maior amor. Sempre que volto nessa região tento parar o carro lá.
E antes que você pergunte, realmente não há nada de inovador em tematizar um ambiente. Mas em estacionamento eu nunca tinha visto nada parecido.


Não tenho certeza se isso é genial ou bizarro, mas no mínimo destoa. É um mercadinho entre a Av. Paulista e o Bexiga, em São Paulo. Praticamente um cúbiculo. Mas ao lado da gôndola de frutas e verduras fui surpreendido por um armário com jóias e bijuterias!
Fiquei imaginando que a esposa do dono deve ter começado a vender para as amigas e aí resolveu fazer esse experimento aproveitando a sinergia com o mercadinho. O que vocês acham?



Por fim, um café no Bom Retiro, uma região de São Paulo conhecida por ser um pólo de moda, lotada de lojas de roupa. Começou vendendo no atacado e hoje em dia também conta com um movimento relevante do varejo.
Pelo número de pessoas que passam por ali qualquer café já teria seu lugar ao sol, mas esse resolveu aproveitar o que a região tem de melhor para fazer a diferença. Lá, além de comer um salgado e beber alguma coisa, o cliente é servido por prateleiras gigantescas com revistas de moda do mundo inteiro. Basta pegar uma, sentar na mesa e relaxar. Praticamente um hub de tendências.
E você? Conhece algum exemplo desse tipo? Se sim, deixe referências aí nos comentários.

Um comentário:

O espaço é aberto para críticas, sugestões e até elogios. Só, por favor, não venha com spam.